.posts recentes

. HAPPY B-DAY TO ME!!

.

. A Thousand Years

. Remember what not to do

. UALG - ESGHT 10 anos

. Dias do caraças!!

. Sapatinho lindo de sua mã...

. Wild

. Pois é!

. Encerramento oficial das ...

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.links

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

Liberdade de expressão

 

Ontem à noite tive esta leitura super interessante e decidi duas coisas:
1ª não podia ser egoista e tinha que partilhar este texto tão libertador;
2ª vou abolir a “foca” do meu dicionário semi-educado e adoptar o “f*da-se”
 
Have a blast and enjoy it :)
 
O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela diz.
Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"?
O "foda-se!" aumenta a minha auto-estima, torna-me uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Liberta-me.
"Não quer sair comigo?! - então, foda-se!"
"Vai querer mesmo decidir essa merda sozinho(a)?! - então, foda-se!"
O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição.
Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para dotar o nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade os nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo a fazer a sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia.
"Comó caralho", por exemplo. Que expressão traduz melhor a ideia de muita quantidade que "comó caralho"?
"Comó caralho" tende para o infinito, é quase uma expressão matemática.
A Via Láctea tem estrelas comó caralho!
O Sol está quente comó caralho!
O universo é antigo comó caralho!
Eu gosto do meu clube comó caralho!
O gajo é parvo comó caralho!
Entendes?
No género do "comó caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso "nem que te fodas!".
Nem o "Não, não e não!" e tão pouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não, nem pensar!" o substituem.
O "nem que te fodas!" é irretorquível e liquida o assunto.
Liberta-te, com a consciência tranquila, para outras actividades de maior interesse na tua vida.
Aquele filho pintelho de 17 anos atormenta-te pedindo o carro para ir surfar na praia? Não percas tempo nem paciência.
Solta logo um definitivo:
"Huguinho, presta atenção, filho querido, nem que te fodas!".
O impertinente aprende logo a lição e vai para o Centro Comercial encontrar-se com os amigos, sem qualquer problema, e tu fechas os olhos e voltas a curtir o CD (...)
Há outros palavrões igualmente clássicos.
Pense na sonoridade de um "Puta que pariu!", ou o seu correlativo "Pu-ta-que-o-pa- riu!", falado assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba.
Diante de uma notícia irritante, qualquer "puta-que-o-pariu!", dito assim, põe-te outra vez nos eixos.
Os teus neurónios têm o devido tempo e clima para se reorganizarem e encontrarem a atitude que te permitirá dar um merecido troco ou livrares-te de maiores dores de cabeça.
E o que dizer do nosso famoso "vai levar no cu!"? E a sua maravilhosa e reforçadora derivação "vai levar no olho do cu!"?
Já imaginaste o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta:
"Chega! Vai levar no olho do cu!"?
Pronto, tu retomaste as rédeas da tua vida, a tua auto-estima.
Desabotoas a camisa e sais à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.
E seria tremendamente injusto não registar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: "Fodeu-se!". E a sua derivação, mais avassaladora ainda: "Já se fodeu!".
Conheces definição mais exacta, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação?
Expressão, inclusivé, que uma vez proferida insere o seu autor num providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como quando estás a sem documentos do carro, sem carta de condução e ouves uma sirene de polícia atrás de ti a mandar-te parar. O que dizes? "Já me fodi!"
Ou quando te apercebes que és de um país em que quase nada funciona, o desemprego não baixa, os impostos são altos, a saúde, a educação e … a justiça são de baixa qualidade, os empresários são de pouca qualidade e procuram o lucro fácil e em pouco tempo, as reformas têm que baixar, o tempo para a desejada reforma tem que aumentar … tu pensas “Já me fodi!”
 
Então:
Liberdade,
Igualdade,
Fraternidade
e
foda-se!!!
 
Mas não desespere:
Este país … ainda vai ser “um país do caralho!”
Atente no que lhe digo!
 
 
Millor Fernades (adaptação)
 
 Misteriously Jo

 

sinto-me: Beeemmmmmm
música: Turn off the lights

publicado por thestarsareshining às 10:09

link do post | comentar | favorito

11 comentários:
De Mickey a 8 de Janeiro de 2009 às 17:47
Realmente o palavrao é o que dá sal à lingua portuguesa. Ha coisa mais fofinha de dizer a uma amiga do que: vai fazer broches a cavalos? Eu sei que é meio lamechas, mas de vez em quando fica bem sermos fofinhos com as nossas amigas.
Outra falha no texto é a expressão mais agressiva da lingua portuguesa: vou-te foder!!! Isto deixa desarmado ate o pior facinora. Contra isto um "eu mato-te cabrão" é quase convite para jantar à luz de velas, um "parto-te a boca toda meu monte de merda" é piropo, ou ate "dou-te umas nalgadas valentes" assume conotação sexual......ok "dou-te umas nalgadas" é de indole sexual, sem duvida.
Para melhor ilustrar a minha teoria, deixo aqui uma música mitica do punk portugues, cantada pelo não menos mitico Ribas, na sua ainda mais mitica 2ª banda, os Censurados (a primeira banda dele chamava-se Ku de Judas....ainda me eprgunto porque desistiram do nome, era fabuloso):

Convosco.....Censurados.....Tu ó Bófia!!!!!!

Tu conheces-me sabes quem eu sou
Tu não sabes nada de mim
Tu conheces-me
Tu nem sabes porquê que eu sou assim
Levas-me para esquadra, nem sabes porquê
E quando vês que nada podes fazer,
Pedes desculpa e ficas a espera da próxima vez

Ficas a pensar para a próxima vou-te foder
Ficas com raiva por nada puder fazer

Tu que desordem da lei fundamental
Defendes a tua pátria Portugal
E não percebes e nem queres saber
Porquê que eu sou assim
Estas-me sempre a repreender
Das coisas que eu quero fazer e so pensas
E so pensas em me condenar

Ficas a pensar para a próxima vou-te foder
Ficas com raiva por nada puder fazer


De thestarsareshining a 8 de Janeiro de 2009 às 21:39
Ohhh sabes que eu sou adepta do "vai mamar na quinta pata"...mas fiquei sensibilizada, quase que verto uma lágrima :)
Clap clap clap a ti, demoras-te mas chegas-te, escreves-te e marcas-te pontos!!

beijo**


De Mickey a 9 de Janeiro de 2009 às 13:00
Pois lamento informar mas o "vai mamar na quinta pata" é apenas um sinónimo de "foca" aplicado a este caso particular. O que é a "quinta pata"? O que é mamar? Qual a palavra que funde na perfeição as expressões "mamar" e "quinta pata"? Sem dúvida que é "broche". Tirando uma qualquer púdica artesã de tapetes de arraiolos, todas as outras pessoas reconhecem a palavra "broche" como sendo algo que não merece discussões nem desenhos. Aliás desafio-te a (bem ao estilo de Party & CO) ilustrares a alguem a palavra broche, que em mimica, quer em desenho. Se tentares ir pelo caminho da merdinha que se usa ao peito o teu interlocutor nunca vai adivinhar. Se optares pela via "fellatio" o resultado é imediato.
(Uma vez mais espero ter conseguido defender a minha Tese)


De Anónimo a 11 de Janeiro de 2009 às 20:18
Pah, Johnny, desta vez dou a mão à palmatória, o Mickey tem razão.

Mas Mickey, há que perceber em que contexto surge o "Foca!" para perceber!
Dizer "Foca!" é quase dado adquirido e slogan dentro daquele edíficio que nós todos sabemos! É que dizer "Foda-se!" ao telefone e em reuniões, constante e diariamente, digamos que era capaz de começar a dar azo a burburinhos... :)
Hás-de lá chegar! ;) ehehe Já te vi mais longe!

Por tudo isto, declaro a Joaninha inocente! É que ela até é boa a expressar-se "comó caralho", quando está chateada! :D


De thestarsareshining a 12 de Janeiro de 2009 às 11:55
Caríssimo "ordinário",
Se tiver que fazer mimica para uma gaja e com "broche" me estiver a referir a uma pregadeira ou alfinete de lapela tenho a certeza que me vai com+reender perfeitamente, se for a um gajo como sei que são de compreensão mais lenta tenho a certeza que nunca lá iam chegar! Como o party & co é lúdico/didático tenho a certeza que esse tipo de broche não iria lá sair, como tal, tal ideia despropositada só poderia sair dessa tua cabecinha porca :p
Não "lhe" chames púdica, chama-lhe antes contida ;)
De vez em quando sai uma asneirita mas pouco mais!!

M Jo**


De Miss. M a 9 de Janeiro de 2009 às 21:32
Sim, nada como um grande "Vai-te foder, meu grande paneleiro, filho-da-puta!" para demonstrar o desagrado ao mais alto nível a alguém. É algo libertador, que faz libertar o stress mais acumulado.
O equivalente a um soco no nariz, ou a um atropelamento por um boldozer, mas de uma forma mais verbal.
Concordo que estas expressões carinhosas deveriam ser reconhecidas na nossa língua!
Beijo


De thestarsareshining a 12 de Janeiro de 2009 às 11:59
Oh Miss M,
Agr até me surpreendeu!!! Solta assim tanta raiva contida com um, passo a citar, "Vai-te foder, meu grande paneleiro, filho-da-puta!" uouwww I didn't saw that coming pah!!Quem diria que tu com esse ar tão de menina poderias chegar a este nível ui ui cuidado com ela!!! ah ah ah estás terrível e olha que dizer palavrões é pecado :p vais po inferno...huummmm também quero :D


De Lindona a 11 de Janeiro de 2009 às 20:32
Gosto imenso deste texto.
E logo eu que sou acusada tantas vezes pelos meus amigos/as de, quando me entusiasmo, falar mal como um homem, sem dó nem piedade. :)
Passo-me quando me dizem que fica muito mal a uma mulher dizer nomes malcriados! Baaaahhh!!!
Confesso que me custa um bocado ouvir isto, até porque sou bem menina, mas até, de uma forma torcida, consigo compreender. :) Eu própria não curto ver uma gaja a mandar muitas caralhadas!... :)

Maaaas... É diferente! Confesso que sou adepta do "extravazar emoções" e não há nada melhor do que um apoteótico "vai-te pó caralho" ou "Pó caralhinho, não?!" para mostrar a alguém desconhecido que estamos irritados, em jeitos de catárse! :) Right?!
O chamado "expurgar" a alma, como eu costumo dizer!

Há algumas expressões/nomes, no entanto, que não acho mesmo piadinha nenhuma... :) Tipo: "Chupa-me", "Mama-me aqui", "Cona Boa", "Camano" (não como expressão, mas referindo-se ao próprio orgão)... ehehhe a sério! Não curto mesmo, dito por homem ou mulher! GOD!

;)


De thestarsareshining a 12 de Janeiro de 2009 às 12:03
Lindona,
Pois de facto eu também não curto ver uma menina a soltar muitos palavrões e por isso mm só os digo qd já alguem ou até eu mesma me fiz saltar a tampa, fritei a pipoca, me passei por completo mm ao nível de quase deixar de ver...às vezes saem mm pq olha até se encaixavam na frase e porque lá está, até consegue ser libertador :p
Em relação às expressões mais agressivas supra citadas também me causam arrepios na espinha bahhh, chamem-me cinzenta I don't care mas são termos banidos do meu vocabulário!
Aqui no escritorio tentamos expungar a alma quando lemos este texto mas desistimos...a "foca" e o "ai que cacete" dominam o máximo do palavrão!!! eh eh eh


De O Arrumadinho a 14 de Janeiro de 2009 às 23:54
Muito bom. Aplica-se, na perfeição, ao meu último post.


De tv a 26 de Janeiro de 2009 às 17:05
lol! este texto 'tá brutal :P


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.arquivos

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds